Por que a depressão é tão comum

Hoje em dia, os dados epidemiológicos da prevalência dos transtornos mentais assustam, em todos os lugares do planeta, em todas as idades. Mas porque a prevalência dos transtornos mentais está tão comum?

A psiquiatria e neurociência avançaram muito nos últimos tempos. O papel exclusivo das catecolaminas (serotonina, dopamina, noradrenalina) na etiologia da depressão e dos transtornos mentais, como acreditava-se há alguns anos, passou a dar lugar a várias outras teorias e fatores causais.

Fatores Inflamatórios:

Assim como outras doenças, os estudos mostram maior presença de sinais e sintomas de inflamação crônica, ou um desequilíbrio no sistema imune e de defesa do organismo, levando também à transtornos mentais. Atualmente vários marcadores inflamatórios estão sendo estudados e utilizados na pratica clínica, como ferramentas diagnostica e terapêutica.

Fatores Genéticos:

As catecolaminas ainda possuem papel importante na gênese da depressão, devido ao papel na comunicação entre os neurônios, e consequentemente sobre sintomas e comportamentos. Os avanços da medicina genética e farmacogenetica permitem uma avaliação personalizada se uma pessoa tem deficiência na produção destes neurohormonios, e consequentemente maior tendência a desenvolver sintomas, possibilitando um tratamento personalizado e individualizado.

Fatores Neuroregenerativos:

A capacidade de suportar problemas com maior resistência e conseguir “dar a volta por cima”, a também chamada “resiliência”, pode estar diretamente relacionada a proteínas e substancias que atuam na regeneração e renovação dos neurônios e outras células cerebrais. Estudos mostram que a quantidade da proteína chamada BDNF: Brain-Derived Neurotrophic Fator (Fator Neurotrofico Derivado do Cerebro), está diretamente relacionada à e à capacidade de resiliência e recuperação dos sintomas.

Fatores alimentares e microbiota intestinal:

Os hábitos alimentares e a chamada microbiota intestinal (ou a quantidade e qualidade dos microorganismos presentes no trato gastrointestinal, está relacionado à sintomas de humor e ansiedade. Um recurso também da chamada “medicina personalizada”, hoje já quais microorganismos estão mais relacionados a sintomas ansiosos e depressivos. É possível analisar estes microorganismos como recurso diagnostico e terapêutico.

Fatores psicológicos:

O temperamento e personalidade de cada pessoa, que tem influencias genéticas e das vivencias ao longo da vida, estão relacionados ao desenvolvimento de sintomas e transtornos mentais.

Fatores ambientais:

Sendo uma medicina diretamente relacionada aos acontecimentos, traumas, relações pessoais e culturais, e aos acontecimentos vivenciados ao longo da vida e na atualidade, a psiquiatria e os transtornos mentais são diretamente influenciados por estes fatores. A história pessoal de cada pessoa, bem como as transformações tecnológicas e culturais influenciam diretamente nos sintomas depressivos e ansiosos, além de outros transtornos mentais.

Nos próximos textos vamos falar mais detalhadamente sobre cada um destes fatores.

Gianna Guiotti Testa
Medica Psiquiatra (responsável técnica da Clínica Opy Saúde)
CRM DF- 15231